Referências

Os logos das Olímpiadas

Olímpiadas Rio 2016 Logotipos design

Parecia estar distante, mas chegou. Nesta sexta-feira (05), acontece a cerimônia de abertura das Olímpiadas do Rio, a primeira na América Latina. Em meio à crise política e econômica do país, um legado poderá realmente ser deixado ao design brasileiro: o primeiro logotipo 3D dos jogos.

+ Leia: A fonte Rio 2016: “Uma alegria do mesmo tamanho do desafio”

Para chegar até a atual marca, desenvolvida pela agência Tátil Design, 50 edições olímpicas de verão e inverno aconteceram até aqui. Entretanto, nem sempre foi assim.

Tudo começou nos Jogos de Verão de 1924, em Paris. Até então, o design olímpico se resumia aos icônicos pôsteres feitos por cada uma das sedes.

O primeiro pôster foi feito para a edição de 1908, em Londres. As três Olimpíadas anteriores não tiveram pôsteres feitos exclusivamente para elas. Já que Atenas 1896 usou a capa do relatório oficial e Paris 1900 e Saint Louis 1904 utilizaram de imagens feitas para as Feiras Mundiais que organizaram conjuntamente com o evento olímpico.

Logos-Olimpiadas-1896

1896

Logo-Olimpiadas-1904

1904

Logos-Olimpiadas-1908

1908

Logos-Olimpiadas-1912

1912

Timbe-Olimpiadas-1916

1916

Os pôsteres tinham uma grande importância na identidade visual do evento, já que, até então, não havia logotipos próprios. Após a inserção dos logos, os pôsteres se tornaram um dos elementos do design da edição.

A partir de 1924, em Paris, os logotipos passaram a fazer parte dos jogos. Com isso, surgiram também os jogos de inverno.

Dez anos após o logo parisiense, o Comitê Olímpico Internacional adotou sua própria marca: os cinco anéis olímpicos, presentes na Bandeira Olímpica e nas cores verde, vermelha, preta, amarela e azul, que são as cores presentes em todas as bandeiras dos países que participam dos Jogos.

olimpiadasAo longo do tempo, a lenda de que cada anel e sua cor representavam o continente ganhou força e hoje é mais popular que a história oficial. O significado: vermelho (Europa); preto (África); azul (Américas), verde (Oceania) e amarelo (Ásia). A partir de 1932, estes anéis se integraram aos logos e hoje é item obrigatório na composição da marca.

Entre 1924 e 1960, a principal característica dos logotipos foi ressaltar características ou símbolos do país anfitrião, como a águia americana em 1932, o mapa australiano em 1956 e a loba romana em 1960.

Jogos de Verão de 1924

1924

1928

1928

1932

1932

1936

1936

Destaca-se também o amadorismo na concepção dos projetos, sem grandes inovações ou imagens mais complexas.

De 1964 a 1988, predominam os padrões geométricos nas marcas olímpicas. Esferas, listras, espirais, entre outras, dão a cara dos Jogos Olímpicos realizados neste período. A partir daqui, as cidades-sedes deixam de colocar apenas seus pontos turísticos clichês e investem em imagens mais elaboradas. Na edição de 1968, no México, surge um padrão de design criado não apenas para o logotipo, mas também para ser usado em todos o material olímpico.

Logos-Olimpiadas-1948

1948

Logos-Olimpiadas-1952

1952

1956

1956

1960

1960

1

1964

Logos-Olimpiadas-1968

1968

Logos-Olimpiadas-1972

1972

Logos-Olimpiadas-1976

1976

Logos-Olimpiadas-1980

1980

Logos-Olimpiadas-1984

1984

Logos-Olimpiadas-1988

1988

Com o avanço da computação gráfica, os logos vão se tornando cada vez mais profissionais e elaborados. Com os Jogos de Verão de 1992, em Barcelona, começa a era dos bonequinhos coloridos, que delegou ao Movimento Olímpico as melhores produções até agora.

Mesmo com mais ferramentas à disposição, é uma fase que acabou uniformizada, com todas as edições seguindo o mesmo padrão de símbolo colorido, nome da cidade, anéis olímpicos, sem criar alguma concepção diferente ou inovadora em relação às demais sedes. Não se encerrou completamente e ainda segue em uso, em fusão com a era flat.

1992

1992

1996

1996

Logos-Olimpiadas-2000

2000

2004

2004

2008

2008

2012

2012

2016

2016

O logotipo da Rio 2016 foi desenvolvido pela agência Tátil Design, enquanto a tipografia foi feita pela agência Dalton Maag.

“Fizemos brainstormings para descobrir sua essência, seu propósito e materializar expressões e experiências relevantes. Mais de 100 pessoas participaram do processo, entre estrategistas, designers e redatores, com as melhores referências sendo trocadas e trabalhadas de forma coletiva”, disse a agência Tátil Design no case de apresentação.

A marca dos jogos do Rio foi a única feita em 3D. Isso fez com que ela fosse muito elogiada entre especialistas da área pelo mundo todo.

Tóquio 2020 1

2020

Em abril deste ano, o logotipo das Olímpiadas de 2020, feito pelo artista Asao Tokoro,  foi divulgado após um concurso com quatro alternativas. O escolhido traz as diferenças nas culturas e nacionalidades e simboliza “unidade na diversidade” por meio dos retângulos individuais.

Curiosidades

* Logos olímpicos são criados desde a época em que uma cidade começa o seu sonho de sediar os Jogos de Verão ou Inverno, o bid logo. Após um ou dois anos após a escolha, a sede eleita apresenta o logo definitivo daquela edição. Até os anos 90, porém, isso era feito na cerimônia de encerramento da sede anterior. Hoje, são criados eventos exclusivos para esta finalidade.

* Seja da candidatura ou definitiva, as marcas precisam ser aprovadas pelo Comitê Olímpico Internacional e seguir as regras criadas pela entidade. Por exemplo, desde 1996 não é permitido mais usar os símbolos olímpicos nas imagens, como a tocha olímpica.

*Londres 2012 foi a primeira edição a usar a mesma marca tanto para os Jogos Olímpicos quanto Paralímpicos.

* O logo dos Jogos de 2016 no Rio de Janeiro é o primeiro concebido para ser em três dimensões. A imagem paralímpica, um coração, também segue a mesma estética.

Com informações do We Do Logos.

Mais lidas

INÍCIO